A RESILIÊNCIA DA CADEIA DE SUPRIMENTO É MAIS DO QUE APENAS PREPARAR PARA OUTRA PANDEMIA


Como você constrói cadeias de suprimentos resilientes e como faz isso de forma sustentável?

Encontro: 
16 de maio de 2022
Autor(es): 
Trip Allport, Bonface Fundafunda, Edward Llewellyn
Imagem

Muitos governos na África não investiram adequadamente em sua cadeia de suprimentos de saúde como uma área crítica para desenvolvimento e inovação. No mesmo período, o setor privado identificou a cadeia de suprimentos como um diferencial competitivo e investiu nela para melhorar sua proposta de valor para clientes e acionistas conscientes dos custos.

Então, a pandemia do COVID-19 chegou. Os desafios trazidos pela pandemia aceleraram a compreensão dos governos sobre a importância da cadeia de suprimentos e por que o investimento nela deve ser priorizado. Isto proporcionou uma oportunidade pertinente para os ministérios da saúde, doadores, parceiros de implementação e partes interessadas do sector privado explorarem a melhor forma de fazer avançar a cadeia de abastecimento de saúde de África – e torná-la mais resiliente. Mas como construir cadeias de suprimentos resilientes e como fazê-lo de forma sustentável?

No Africa Resource Centre, acreditamos que três eixos fundamentais apoiam a resiliência sustentável da cadeia de abastecimento: envolvimento do sector privado, redução da cadeia de abastecimento e governação (melhor visibilidade e supervisão).

Engajamento do setor privado

As parcerias do setor privado são um componente importante das estruturas existentes da cadeia de suprimentos. Ainda assim, essa função pode ser estendida para incluir flexibilidade suficiente para permitir a ampliação ou redução da demanda quando houver mudanças ou necessidades sazonais.

O setor privado tem muitos mecanismos existentes que apoiam a resiliência e tem capacidade comprovada de continuar fornecendo bens e serviços, mesmo quando há volatilidade. Essa é uma ferramenta essencial que os governos podem aproveitar sem arcar com os custos operacionais e de longo prazo de estabelecer esses sistemas internamente.

Grande parte do trabalho da ARC envolve a tradução de práticas comprovadas do setor privado em sistemas de saúde pública para apoiar o fortalecimento da cadeia de suprimentos. Por exemplo, no início da pandemia de COVID-19, a ARC apoiou o Governo do Cabo Ocidental na África do Sul para alavancar a Uber e outras agências de táxi do setor privado para entregar medicamentos.

Os ministérios da saúde precisam ter acordos adequados com o setor privado, incluindo provisões para diferentes níveis de demanda. Esses acordos permitem que os governos respondam a mudanças externas, sem sacrificar as verificações e contrapesos essenciais e os controles de qualidade para uma boa governança da cadeia de suprimentos.

Encurtando as cadeias de suprimentos 

A pandemia do COVID-19 destacou a fragilidade das cadeias de suprimentos estendidas nos setores público e privado. O setor privado está agora vendo uma mudança para uma produção mais localizada em resposta, mesmo que os custos por unidade possam aumentar. Uma cadeia de suprimentos mais curta é geralmente reconhecida como mais enxuta, mais ágil e pode ser mais responsável e econômica, dependendo das circunstâncias.

Esses benefícios significam que muitos governos estão considerando encurtar suas cadeias de suprimentos com a produção localizada de vacinas, medicamentos e outros produtos de saúde. No entanto, quando todos os países têm uma reação imediata ao encurtamento das cadeias de suprimentos, existe o risco de uma reação exagerada e um excesso de oferta nos mercados.

Os sistemas precisam ser implementados para que a cadeia de suprimentos funcione bem regularmente. Em vez de direcionar recursos para tentar prever tensões desconhecidas no futuro, investir na criação de eficiências na cadeia de suprimentos existente por meio de visibilidade, infraestrutura de TI e rotinas de planejamento prepararão o sistema para toda a magnitude das respostas necessárias, além de ter um impacto mais imediato na vida dos pacientes.

Na opinião da ARC, o encurtamento eficiente das cadeias de suprimentos envolve centros de fabricação regionais em vez de fabricação localizada no país. Vemos a ARC e outros órgãos regionais desempenhando um papel na intermediação de acordos entre países e na otimização de como a fabricação regional acontece. Os governos precisam desenvolver uma governança que permita flexibilidade quando a demanda exigir o acesso mais eficiente às entidades regionais de fabricação e fornecimento.

Governança

A governança eficaz também pode aumentar a resiliência da cadeia de suprimentos de saúde porque reúne parceiros e partes interessadas para revisar e ajustar regularmente os planos estratégicos e o desempenho operacional. Então, quando ocorre um evento ou crise significativa, essas medidas já estão em vigor e atualizadas para que a cadeia de suprimentos possa se expandir conforme necessário para acomodar a demanda aguda.

Os doadores também podem desempenhar um papel positivo ao contribuir para esse aspecto da resiliência da cadeia de suprimentos, dando a seus parceiros a flexibilidade de responder às mudanças nas demandas. Por exemplo, em 2019, o ciclone Idai desembarcou em Moçambique, deixando mais de 600 pessoas mortas e desencadeando um surto devastador de cólera. O governo precisava montar uma resposta, mas as fontes de dados críticas foram armazenadas em vários sistemas em silos. No entanto, o governo e os doadores adquiriram os serviços de Zenysis, uma empresa de software do setor privado. A Zenysis conseguiu ajudar o Instituto Nacional de Saúde de Moçambique a integrar várias fontes de dados em uma nova sala de controle virtual em 24 horas. Isso forneceu aos tomadores de decisão uma visão oportuna e completa da crise e as análises acionáveis para uma resposta oportuna, eficaz e coordenada.

Da mesma forma, isso foi alcançado com grande sucesso em muitas áreas durante a pandemia do COVID-19. A disposição dos doadores em permitir que seus parceiros façam mudanças estratégicas rápidas demonstrou o impacto que isso pode ter sobre os pacientes que precisam de acesso a medicamentos e serviços de saúde.

A boa governança também precisa cultivar a mentalidade certa nas pessoas responsáveis pela gestão da cadeia de suprimentos. Ajudá-los a ver a natureza inerentemente dinâmica desses sistemas e prepará-los para a realidade da volatilidade permitirá que eles respondam rapidamente e com maior senso de urgência quando as mudanças precisam ser feitas.

Mais do que se preparar para mais uma pandemia

As discussões atuais sobre a resiliência da cadeia de suprimentos são mais do que apenas se preparar para outra pandemia ou prever choques futuros. Suponha que as cadeias de suprimentos possam ser desenvolvidas para serem responsivas e ágeis quando houver flutuações cotidianas, como surtos de doenças regionais ou desastres naturais. Nesse caso, eles também estarão em uma posição forte para demonstrar resiliência quando houver choques significativos ou generalizados.

Por meio da estruturação eficaz de acordos do setor privado, utilizando a fabricação regional para encurtar a cadeia de suprimentos e medidas de governança contínuas e robustas para a volatilidade regular, as cadeias de suprimentos demonstrarão resiliência e mudarão de acordo com as demandas flutuantes, inclusive quando houver grandes crises globais de saúde, como a atual pandemia .

Sobre os autores

Viagem Allport é o Diretor Geral de Alianças Estratégicas e Sustentabilidade da ARC. Por mais de uma década, ele ajudou a formar e gerenciar parcerias que apoiam soluções orientadas para o mercado para as questões de desenvolvimento mais desafiadoras do mundo entre os setores privado e de desenvolvimento.

Dra. Bonnie Fundafunda, PhD. é o Líder Regional, apoiando os países da África Oriental e Austral para a ARC. Ele tem mais de 30 anos de experiência em política de saúde, planejamento, estratégia, sistemas operacionais e desenvolvimento de negócios na África.

Edward Llewellyn é o Diretor Técnico da Cadeia de Suprimentos da ARC e assessora a transformação organizacional nos setores público e privado há vinte anos. Ed apoia as equipes nacionais da ARC para moldar e definir o escopo das iniciativas de fortalecimento da cadeia de suprimentos com o governo no centro e com a sustentabilidade como seu objetivo.